Guia da Filosofia

O que é uma utopia?

Explicamos o que é uma utopia, a origem do termo e várias utopias imaginadas na história. Além disso, o que é uma distopia

Com a palavra utopia, geralmente nos referimos a uma sociedade humana ideal, perfeita e desejável , que constitui o melhor cenário possível para o futuro; e por extensão, também nos referimos aos planos, projetos ou doutrinas que aspiram alcançá-lo ou construí-lo. Nesse sentido, o termo expressa que essa sociedade é inatingível, impossível de ser alcançada em qualquer outro lugar que não seja na imaginação .

A palavra utopia apareceu pela primeira vez em 1516, na obra de Thomas More (1478-1535) Libellus vere aureus, nec minus salutaris quam festivus, de optimo reipublicae statu, deque nova insula Vtopia (“Livro verdadeiramente dourado, não menos benéfico do que entreter, sobre o melhor estado de uma república e sobre a nova ilha da Utopia”), na qual descrevia uma sociedade “perfeita” que contrastava com a Inglaterra da época.

A escolha desta palavra responde às palavras gregas oy (“não”) e topos (“lugar”), no sentido de “nenhum lugar” ou “lugar inexistente”; embora outras suposições prefiram pensar que vem de eu (“bom”) e topos (“lugar”), ou seja, “lugar bom”. De qualquer forma, o termo se popularizou desde então e foi usado para designar sociedades imaginárias nas quais se encontravam soluções para os problemas da época.

Essas sociedades imaginárias foram imaginadas antes de seu nome e  têm sido objeto de ficções e reflexões desde a antiguidade . Além da de Moro, exemplos importantes de sociedades ideais são, para citar alguns, a República de Platão (c. 427-347 aC), a Cidade de Deus de Santo Agostinho de Hipona (354-430) ou A Cidade do Sol de Tommaso Campanella (1568-1639) e The New Atlantis por Francis Bacon (1561-1626).

O Renascimento e os seus tempos posteriores testemunharam uma verdadeira proliferação deste tipo de sociedades fictícias, que ao mesmo tempo serviam para pensar o futuro das sociedades reais .

A partir do século XIX, porém, o termo utópico adquiriu fortes conotações políticas, pois estava associado ao pensamento de movimentos socialistas anteriores ao marxismo .

O desejo de mudar o mundo e aspirar a uma sociedade mais justa levou pensadores como Henri de Saint Simon (1760-1825), Charles Fourier (1772-1837) ou Robert Owen (1771-1858) a projetar procedimentos aplicáveis ​​para mudar o mundo. , que foram entendidos como ” comunismo utópico ” no Manifesto Comunista de Friedrich Engels (1820-1895) e Karl Marx (1818-1883), que se opunham ao seu ” comunismo científico “.

Hoje, o termo utopia é usado com muita frequência para lidar com as ambições econômicas, políticas, sociais e ecológicas que são mais difíceis de conciliar com o modelo capitalista industrializado . Até foi desenvolvido o conceito de “tecnoutopia”, ou seja, a crença de que os avanços tecnológicos podem um dia nos levar a uma sociedade ideal.

Utopia e distopia

Se uma utopia é uma sociedade ideal, uma distopia é o contrário: a pior sociedade humana possível , ou seja, um cenário em que tudo deu errado. O termo distopia (ou, menos frequentemente, anti-utopia) é usado para aqueles cenários ficcionais em que um futuro terrível é narrado, onde os problemas da humanidade só pioraram ou deram origem a outros ainda piores.

Embora o termo “anti-utopia” já tenha aparecido na obra de Thomas More no século XVI, a criação da “distopia” é atribuída a John Stuart Mill (1806-1873) em seu discurso perante o parlamento em 1868. São exemplos de distopias as obras literárias Admirável Mundo Novo (1932) de Aldus Huxley (1894-1963), 1984 (1947) de George Orwell (1903-1950) ou Fahrenheit 451 (1953) de Ray Bradbury (1920-2012).

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo